Mostrando postagens com marcador Leite de ACC. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Leite de ACC. Mostrar todas as postagens

sábado, 14 de setembro de 2019

Como fazer leite de castanha de caju

Sábado é dia de receita no Blog. E hoje é a vez do Canal Presunto Vegetariano mostrar-nos como se faz o leite da amêndoa de castanha de caju, cujo consumo tem crescido de forma expressiva entre os públicos vegano e vegetariano.

A receita é simples e o produto final é um leite super saboroso e versátil, que pode ser usado para o preparo de vitaminas, tomar com café ou puro, e também no preparo de receitas doces e salgadas.

Vamos aprender?


sábado, 16 de março de 2019

Leite de castanha de caju

Neste sábado trazemos um vídeo do Canal "Presunto Vegetariano" com uma receita super simples de leite de amêndoa de castanha de caju. Além disso, o que fazer com o resíduo. Bom proveito!


terça-feira, 12 de março de 2019

85 Castanhas: nova marca no mercado


Na onda dos "leites" à base de plantas, vem da terra do maior cajueiro do mundo, Rio Grande do Norte, uma nova marca de leite vegetal à base de amêndoa de castanha de caju. 


Trata-se da marca Cajueiro, com processo de envase UHT, que torna a bebida produzida na indústria muito mais segura e prolonga sua validade, sem a necessidade de aditivos e conservantes.

A marca Cajueiro, além do 85 Castanhas (bebida cremosa feita apenas com água e castanhas selecionadas), apresenta ainda o Duo Lat (blend feito a base de castanha, amendoim e água) e o Toasted (bebida feita com água e castanhas assadas).

Mais informações clique aqui.

sábado, 9 de fevereiro de 2019

Receita de creme de leite de castanha de caju

Neste sábado trazemos um vídeo do Canal da Marina Morais, que nos mostra como fazer um creme de leite super saudável à base de amêndoa de castanha de caju. Facílima! Vamos tentar?


quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Vai um copo de leite de castanha de caju?

Fala-se muito em agregação de valor aos produtos da cajucultura. A cada dia surgem novos nichos de mercado, especialmente aqueles ligados à questões como alimentos saudáveis e de fontes ambientalmente sustentáveis. Veja neste vídeo do Canal da Cajucultura a quantas anda o mercado consumidor de leite à base de plantas, com ênfase na amêndoa de castanha de caju.

Inscreva-se no Canal da Cajucultura no YouTube e tenha acesso em primeira mão aos vídeos do Canal.  



segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

O crescimento dos queijos vegetais

Quais são alguns dos alimentos mais modernos que você experimentará este ano? À medida que 2019 começa a ganhar corpo, muitos produtos inovadores, sabores excitantes e práticas culinárias originais estão chegando nas prateleiras dos supermercados e em nossos pratos, em ritmos diferentes.

Juntamente com o sabor e a qualidade, a sustentabilidade e o respeito ao meio ambiente continuarão sendo valores fundamentais para os consumidores, impactando nossas escolhas alimentares ao longo do ano. Embora diferentes especialistas e empresas tenham opiniões diferentes sobre quais alimentos serão populares, isso é algo com o qual todos concordam.

Em sua nova perspectiva sobre o que atrairá a atenção dos consumidores e influenciará a inovação de novos produtos em 2019, o grupo CCD Helmsman, dos EUA, mais uma vez apresenta as nove tendências de alimentos que serão procurados este ano. “Essas são as tendências alimentares que esperamos serem mais significativas e tradicionais este ano”, diz Kara Nielsen, um estudioso de tendências e vice-presidente da CCD Helmsman. Mapeadas por maturidade, espera-se que estas tendências progridam particularmente nos EUA e na Europa.

O queijo à base de plantas está na lista das nove. Com base na crescente tendência de dietas veganas e vegetarianas, os queijos à base de plantas devem se tornar ainda mais populares em 2019. Feitos de castanhas de caju, eles não vieram para substituir o queijo cheddar ou camembert mais tradicional, mas para oferecer uma gama mais ampla de opções para aqueles que procuram se livrar das carnes e laticínios. “Esta é uma tendência que reflete os valores alimentares relacionados com a fonte dos ingredientes, com sustentabilidade e com um menor impacto ambiental. Saber de onde vieram os ingredientes é o ponto mais importante que impulsiona essa tendência. Estamos vendo uma expansão rápida e contínua das escolhas nessa categoria de queijos vegetais ”, explica Nielsen.

Aos que desejam saber mais sobre este assunto, recomendo assistir nesta quarta-feira, 6, no Canal da Cajucultura, o vídeo "Leite de vaca ou à base de castanha de caju?". 

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

 A Tal da Castanha cresceu 24 vezes em quatro anos

.
Rodrigo Carvalho (Marília Camelo/Exame)
O empreendedor cearense Rodrigo Carvalho, de 36 anos, visita plantações de castanha de caju desde criança. Ele ia junto com o pai aos fornecedores da empresa da família, a Amêndoas do Brasil, que vende no atacado e fatura cerca de 170 milhões de reais por ano. 

Herdeiro de uma empresa que vende amêndoas a granel, em 2015 Carvalho criou A Tal da Castanha e percebeu que as castanhas podiam render bem mais do que a comercialização a granel. Até então, ele era um dos diretores de uma rede de concessionárias de automóveis, que fundou em 2005.Em quatro anos, "A Tal da Castanha cresceu 24 vezes (Matéria transcrita da Revista Exame, artigo da jornalista Carla Aranha).

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Leite vegetal: mais um produto para agregar valor a cadeia do caju?

Foto: Adobe Stock
Outro dia publicamos neste blog uma matéria sobre a "Tal da Castanha", um leite vegetal produzido a partir da amêndoa da castanha de caju. O leite à base de plantas é hoje uma tendência crescente, especialmente nos países desenvolvidos. Para confirmar esta tendência, pesquisa recente feita pelo Conselho Internacional de Informações sobre Alimentoso (IFIC), nos Estados Unidos, mostra que mais de 70% dos entrevistados têm conhecimento de que as alternativas de leite à base de plantas não contêm leite de vaca. Menos de 10% disseram acreditar que o leite de vaca está presente em tais produtos.
As percentagens de entrevistados que disseram achar que o leite de vaca está presente em leites alternativos foram de 9% para leite de coco, leite de soja e leite de amêndoa, 8% para leite de amêndoa de castanha de caju e 7% para leite de arroz. As percentagens de pessoas que disseram não saber foram 20% para leite de caju e leite de arroz, 18% para leite de coco e 16% para leite de soja e leite de amêndoa.
A Food and Drug Administration (FDA)  levantou a questão para saber até que ponto as alternativas de leite à base de vegetais podem confundir os consumidores na edição do Federal Register de 28 de setembro, solicitando comentários sobre a rotulagem de produtos à base de plantas com nomes que incluem os nomes de alimentos lácteos como leite, leite refinado, iogurte e queijo. Além disso, o FDA estava interessado em saber como os consumidores usam os produtos à base de plantas e como eles entendem os termos.
A pesquisa do IFIC envolveu a empresa de pesquisa Lincoln Park Strategies, sediada em Washington, que entrevistou on line 1.000 adultos dos EUA, no período de 4 a 6 de agosto. A pesquisa mostrou que as pessoas com menos de 45 anos compraram mais alternativas de leite não lácteo do que as pessoas com idades entre 45 a 64 anos. 
Mais um produto para agregar valor à esta importante cadeia produtiva?