Mostrando postagens com marcador Oídio do cajueiro. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Oídio do cajueiro. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 24 de maio de 2019

Oídio: principal doença do cajueiro


Considerada a doença mais importante do cajueiro no Brasil, o Oídio causa danos à produção de castanha e à qualidade do pedúnculo em todas as regiões produtoras. Os sintomas são observados nas folhas, nas flores, nos maturis, nos pedúnculos e nas castanhas. O sintoma característico é um revestimento branco, assemelhando-se a um pó inicialmente branco (estruturas reprodutivas do fungo), tornando-se acinzentado quando os órgãos atacados atingem a maturidade.

O controle do oídio é quase que exclusivamente químico, por meio da aplicação de enxofre elementar ou formulado (Kumulus®), sendo este último na concentração de 300 g por 100 litros de água (800 litros/ha). As pulverizações deverão ser iniciadas logo no começo da floração, e a frequência de aplicação dependerá do monitoramento semanal. A reação dos clones comerciais ao oídio revela diferenças de susceptibilidades.

Quer saber mais sobre este assunto? No próximo domingo (26/5) o Blog da Cajucultura disponibilizará a recém-lançada publicação "Principais doenças do cajueiro: sintomas e controle", de autoria do pesquisador José Emilson Cardoso (foto), abordando as principais doenças que ocorrem no cajueiro no Brasil. Pode-se dizer que este é o tipo de material para o cajucultor ter sempre à mão.

quarta-feira, 22 de maio de 2019

Cajueiro: Antracnose X Oídio

A antracnose (foto) já foi considerada a mais severa doença do cajueiro no Brasil, até que o oídio passou a gerar mais prejuízos aos produtores. A doença ocorre em todas as regiões produtoras. É causada pelo fungo Colletotrichum gloeosporioides, que infecta folhas, caules, ramos, frutos e pseudofrutos. O fungo sobrevive internamente nos tecidos infectados, em restos de cultura no solo ou na própria planta. A disseminação dentro do pomar se processa pela água da chuva e pelo vento. 

Os sintomas da antracnose são mais comuns nas folhas, mas podem ser observados em toda a parte aérea da planta. No início, aparecem manchas irregulares de coloração parda nas folhas jovens, tornando-se avermelhadas à medida que os sintomas progridem. Quando os sintomas são severos, toda a folhagem fica retorcida e deformada, assemelhando-se a uma queima.

No fruto e no pedúnculo, os sintomas principais são lesões de coloração escuras e profunda que podem cobrir significativa área do tecido vegetal. O pedúnculo infectado tem o seu desenvolvimento comprometido apresentando-se deformado e por vezes rachados (Verônica Freire/Embrapa).

terça-feira, 21 de maio de 2019

Enxofre no controle do oídio

Foto: Luiz Serrano/Embrapa

O oídio do cajueiro pode ser controlado com a aplicação de enxofre – um produto inócuo à saúde humana e ao meio ambiente e apropriado para cultivos orgânicos. Cientistas da Embrapa Agroindústria Tropical (CE) observaram que o enxofre é capaz de controlar a doença, reduzindo a incidência a menos de 10% nos pomares acometidos.

Muito agressivo, o oídio ataca os tecidos jovens da planta, as inflorescências, pedúnculos e castanhas (foto acima). Provoca o abortamento das flores e deformações, rachaduras e varíolas nos pedúnculos e frutos. O ataque provoca prejuízos tanto ao mercado de castanha quanto ao de caju de mesa. Um sintoma comum é a variegação (presença de zonas com alteração de cor) no pedúnculo. Esse dano é observado em quase todos os clones comerciais acometidos e provoca redução do preço como fruta de mesa, um importante nicho de mercado do agronegócio do caju.

O pesquisador Emilson Cardoso explica que além do enxofre elementar, que pode ser polvilhado nos pomares, os produtores têm à disposição um produto industrializado à base de enxofre com registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A recomendação é para que os produtores façam três aplicações semanais com o produto logo na primeira florada dos cajueiros.

Emilson Cardoso acrescenta que o enxofre elementar é um produto natural e acessível, mas que apresenta a desvantagem de necessitar de um equipamento específico para polvilhamento. Por este motivo, os produtores obtiveram em 2015, a partir de recomendação da Embrapa, o registro no Mapa de produto à base de enxofre. O defensivo agrícola liberado é solúvel em água e pode ser aplicado com equipamentos de pulverização facilmente encontrados nas propriedades, o que facilita o controle.

O Pseudoidium anacardii, fungo que provoca a doença, apresenta disseminação explosiva, germinando em poucas horas. O patógeno pode ser facilmente disseminado por vento ou insetos. "Não depende muito de chuva para germinar, bastam poucas horas de orvalho, o que é comum mesmo nos sertões. Uma vez germinado, penetra facilmente nos tecidos jovens", detalha Cardoso (Verônica Freire/MTb 01225/JP/Embrapa Agroindústria Tropical).


domingo, 24 de fevereiro de 2019

Saiba mais sobre o "Oídio do Cajueiro"

Domingo é dia do Blog da Cajucultura recomendar a leitura de artigos ou livros com temas de interesse do cajucultor. Hoje a nossa recomendação vai para o Comunicado Técnico da Embrapa "Controle Químico do Oídio do Cajueiro", de autoria de José Emilson Cardoso, Marlon Vagner Valentim Martins, Joilson Silva Lima, Francisco Marto Pinto Viana e Luís Gustavo Chaves da Silva.

Clique aqui e acesse o documento completo. Boa leitura!