Mostrando postagens com marcador China. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador China. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 26 de julho de 2019

Vietnã aumenta exportações de amêndoa de caju para China


O Vietnã faturou US $ 22,47 milhões com a exportação de mais de 28 mil toneladas de amêndoa de castanha de caju para a China no primeiro semestre de 2019. Isto representa um aumento de 24,8% em valor e 53,2% em volume em relação a igual período de 2018, de acordo com o Departamento Geral de Alfândegas vietnamita.

Somente em junho, o país exportou 6,6 milhões de toneladas da castanha para a China, faturando 51 milhões de dólares, um aumento de 143,8% em volume e 104,2% em valor em comparação com o mesmo período do ano passado.

De acordo com Pham Van Cong, presidente da Associação do Caju do Vietnã, o governo chinês está reforçando as regulamentações sobre importação e exportação via fronteiras entre os dois países.

A amêndoa vietnamita é popular em mercados exigentes, como os EUA e a União Europeia, e isso serve de passaporte para abrir o caminho para os exportadores domésticos expandirem os mercados.

Além de buscar novos compradores, o Vietnã pretende manter grandes mercados, como a China, a Holanda e especialmente os EUA, que consomem até 40% das castanhas da amêndoa vietnamita.(Foto:VNA)

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

China: de importador de amêndoa a processador de castanha?

Especialistas no mercado internacional na área de processamento de castanha de caju projetam que dentro de pouco tempo a China, que já possui algumas unidades de processamento de castanha, diminuirá a aquisição de amêndoas de caju e se tornará um grande comprador de castanha in natura, podendo ultrapassar o próprio Vietnã. Ainda segundo os especialistas, isto é perfeitamente possível, considerando inclusive que é crescente o número de unidades de processamento de castanha em várias províncias da China. Vale ressaltar que a China é um dos três maiores importadores da amêndoa de caju vietnamita, com 12,9% do total, ao lado dos Estados Unidos (35%) e Holanda (15,6%). Uma vez no jogo, os chineses são imbatíveis. Até que ponto os preços da matéria prima em nível global serão afetados? Para os analistas, uma China processando castanha assustaria o Vietnã e poderia desmoronar o setor de caju na Índia, reduzindo os preços mundiais. Aliás, a China processando qualquer matéria prima sempre assustou o mundo em geral. O temor diminui quando se sabe da aliança da China com os governos africanos, especialmente em termos de infraestrutura e política regional. A conferir.
Em tempo: a produção de castanha na China é ainda insignificante e o cultivo do cajueiro está restrito a áreas costeiras de Ledong Lingshui, Dongfang e Sanya.