Mostrando postagens com marcador Oídio. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Oídio. Mostrar todas as postagens

domingo, 24 de fevereiro de 2019

Saiba mais sobre o "Oídio do Cajueiro"

Domingo é dia do Blog da Cajucultura recomendar a leitura de artigos ou livros com temas de interesse do cajucultor. Hoje a nossa recomendação vai para o Comunicado Técnico da Embrapa "Controle Químico do Oídio do Cajueiro", de autoria de José Emilson Cardoso, Marlon Vagner Valentim Martins, Joilson Silva Lima, Francisco Marto Pinto Viana e Luís Gustavo Chaves da Silva.

Clique aqui e acesse o documento completo. Boa leitura!

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Com o oídio não se brinca

Se existe uma doença que não respeita parte alguma do cajueiro, essa chama-se "Oídio". Causada pelo fungo Oidium anacardii, tem trazido prejuízos a todas as regiões que cultivam o cajueiro no Nordeste brasileiro. Ataca principalmente as partes mais jovens da planta (foto), como as inflorescências, pedúnculos e castanhas (foto), causando o abortamento das flores e deformações, rachaduras e varíolas nos pedúnculos e castanhas. Além disso, um sintoma comum no pedúnculo é a ocorrência de zonas com alteração de cor (foto), depreciando-o para venda como caju de mesa, atualmente um importante mercado do agronegócio caju, provocando redução do preço. O pior é que esse dano é observado em quase todos as variedades comerciais de cajueiro anão. 
Oídio nas folhas (José E. Cardoso/Embrapa)

Castanhas sem e com oídio (Luiz Augusto Serrano/Embrapa)

À esquerda, fruto e pseudofruto com oídio (José E. Cardoso/Embrapa)
Preocupada com esta situação, a pesquisa, por meio da Embrapa, desenvolveu uma prática de controle químico do oídio do cajueiro com enxofre elementar e os produtos formulados Kumulus e Trifmine. A prática proposta permite viabilizar o controle do oídio do cajueiro, orientando a incorporação no sistema produtivo do enxofre elementar, produto que não oferece risco à saúde humana e nem ao ecossistema. No controle químico do oídio em cajueiro, as inflorescências tratadas com enxofre elementar apresentaram a menor severidade da doença, não ultrapassando os 10% de ataque. Para saber mais sobre o assunto, clique aqui.