Mostrando postagens com marcador IBGE. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador IBGE. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 16 de abril de 2019

Castanha: previsão de safra 2019

O IBGE divulgou no último dia 11 de abril o 3º Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA). O Blog da Cajucultura compilou na tabela abaixo os resultados referentes aos principais produtores brasileiros de castanha de caju. 
Estado
Produção (t)
Ceará
60.728
Piauí
24.687
R.G. Norte
16.747
Maranhão
4.199
Bahia
3.000
Pernambuco
2 594

A produção de castanha para o corrente ano no Brasil é estimada em 114.518 toneladas. Sempre é bom destacar que esta estimativa de produção de castanha ainda é bastante preliminar, referindo-se ao mês de março do corrente ano.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Amanhã tem vídeo novo no Canal da Cajucultura

Amanhã o Canal da Cajucultura apresentará uma análise referente ao primeiro Levantamento Sistemático da Produção Agrícola divulgado pelo IBGE, referente à produção de castanha de caju no Brasil para o ano de 2019. 

Inscreva-se no Canal da Cajucultura no YouTube e receba em primeira mão os vídeos deste Canal. Envie-nos comentários e sugestões de temas para novos vídeos.

Para os leitores do Blog que ainda não assistiram os vídeos do Canal da Cajucultura no YouTube, segue a relação dos títulos disponíveis até a presente data, com os respectivos links para acessá-los: 

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

A vitória do anão sobre o gigante

Ouça no player abaixo os meus comentários sobre o primeiro Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) do IBGE para o Estado do Ceará em 2019, com foco nas produções de castanha estimadas para o cajueiro anão e o cajueiro gigante.

Na próxima quarta-feira, 20/2, apresentaremos uma análise sobre os números deste primeiro levantamento, englobando as estimativas referentes aos seis estados maiores produtores de castanha de caju no Brasil.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Piauí: previsão de 24,3 mil t de castanha

Segundo o primeiro Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA feito pelo IBGE para o Piauí, em 2019 o estado deverá produzir 24,3 mil toneladas de castanha de caju, com uma queda de 3,40% em relação a 2018. No tocante à área colhida haverá uma redução da ordem de 9,36%.

Ainda segundo o IBGE, a produção de castanha de caju no Piauí tem caído sobremaneira em razão da redução sistemática da área plantada, provocada principalmente pelo envelhecimento dos pomares, com a reposição insuficiente de mudas. Em termos de perfil do produtor do caju, percebe-se que eles são de porte médio (100 a 200 hectares) e pequeno (agricultura familiar), com um rendimento médio em torno de 350kg/ha. Com relação aos grandes projetos de produção de caju, estes estão sendo desativados em razão do baixo retorno do investimento, causado principalmente pelo fenômeno climático da seca.

Analisando-se o período de 2008 a 2017, a produção de castanha de caju apresentou uma redução de 57,42% na área colhida e uma redução de 69,58% na quantidade colhida do produto.

Amanhã, no Podcast da Cajucultura, faremos uma análise dos números apresentados pelo IBGE referentes à previsão para o Ceará, tanto para o cajueiro comum como para o anão precoce.

domingo, 27 de janeiro de 2019

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

IBGE divulga estimativa da safra de castanha

A estimativa para a produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas de 2019 cresceu, segundo o novo levantamento do IBGE. Pelas informações colhidas, a safra 2019 deve ficar 1,7% acima da safra 2018, enquanto a área a ser colhida é de 62,0 milhões de hectares, 1,9% maior que na atual safra. 

Destaques na estimativa de novembro de 2018 em relação a outubro

Em novembro, destacaram-se variações nas seguintes estimativas, na comparação ao mês de outubro: castanha de caju (4,0%), tomate (3,4%), café arábica (2,5%), feijão 3ª safra (1,6%), cana-de-açúcar (0,4%), milho 2ª safra (0,4%), algodão herbáceo (0,2%), soja (0,2%), feijão 2ª safra (0,2%), milho 1ªsafra (-0,1%), café canephora (-0,5%), feijão 1ª safra (-1,0%), aveia (-1,3%), trigo (-2,2%), sorgo (-2,9%) e cevada (-9,2%).

Com relação à variação absoluta, os destaques positivos couberam à cana-de-açúcar (2.512.285 t), ao milho 2ª safra (197.864 t), à soja (189.675 t), tomate (47.377 t), ao café arábica (64 726 t), ao feijão 3ª safra (6 920 t) e à castanha-de-caju (4 942 t). Os destaques negativos ficaram com o trigo (126.379 t), o milho 1ª safra (36.170 t), o feijão 1ª safra (15.229 t) e o café canéfora (4.180 t).

Ceará responde por 54,8% da produção

A estimativa da produção de castanha de caju é de 129,3 mil toneladas, crescimento de 4,0%, quando comparada ao mês anterior. O Ceará, maior produtor nacional, estima uma produção de 70,9 mil toneladas, aumento de 8,5% em relação a outubro, sendo responsável por 54,8% do total a ser produzido no país em 2018. O Piauí é o segundo maior produtor, tendo estimado 25,2 mil toneladas, enquanto o Rio Grande do Norte é o terceiro, com produção estimada de 18,3 mil toneladas. Piauí e Rio Grande do Norte apresentaram, respectivamente, reduções de 2,1% e 1,5% na estimativa da produção em relação ao mês anterior. Esses três estados devem ser responsáveis por 88,4% da produção nacional. Em relação ao ano anterior, a estimativa da produção de 2018 encontra-se 3,9% menor.



sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Bela Cruz: maior produtor de castanha de cajueiro comum e anão

Bela Cruz e Chorozinho foram os municípios do Ceará que mais produziram castanhas oriundas de áreas plantadas com cajueiro comum em 2017. Já em relação à produção de castanha proveniente de cajueiro anão precoce, Bela Cruz mantém a posição, seguida por Beberibe. Destaque para a produtividade do cajueiro anão em Bela Cruz: 600 quilos de castanha por hectare contra 300 quilos do cajueiro comum.
Para 2018 a previsão de safra brasileira de castanha de caju é de 127 907 toneladas de castanha, a serem colhidas numa área de 501 739 hectares, com um rendimento médio de 265 kg de castanha por hectare. Os dados são IBGE, referentes ao LSPA (Levantamento Sistemático da Produção Agrícola) de setembro de 2018.