Mostrando postagens com marcador Doenças do cajueiro. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Doenças do cajueiro. Mostrar todas as postagens

domingo, 15 de setembro de 2019

Saiba mais sobre as doenças do cajueiro



Atendendo a diversas solicitações de leitores do Blog, reapresentamos neste domingo um folder que apresenta o quarteto mortal quando o assunto é "doenças do cajueiro". De fato, a Antracnose, o Oídio, a Resinose e o Mofo Preto não brincam em serviço. Quer saber como eles atacam e como controlá-los? Clique aqui e fique por dentro do assunto.

Bom proveito e um excelente domingo!

domingo, 11 de agosto de 2019

Pragas e doenças em mudas de cajueiro

Resultado de imagem para problemas fitossanitarios do cajueiro
Neste domingo o Blog da Cajucultura traz para os seus leitores a publicação "Problemas Fitossanitários em Mudas Enxertadas de Cajueiro no Estado do Ceará", de Francisco Freire, pesquisador da Embrapa Agroindústria Tropical. Conheça os principais problemas fitossanitários detectados em viveiros de cajueiro no Ceará. 

Clique aqui para acessar a publicação.

Um feliz dia dos pais!

domingo, 26 de maio de 2019

Conheça as principais doenças do cajueiro


Antracnose, Oídio, Resinose e Mofo Preto. Esse quarteto não brinca em serviço quando resolve atacar o cajueiro. Quer saber como eles atacam e como controlá-los? Clique aqui e acesse a mais nova publicação sobre o assunto, de autoria de José Emilson Cardoso, pesquisador da Embrapa.

Uma boa leitura e um excelente domingo a tod@s! 

sexta-feira, 24 de maio de 2019

Oídio: principal doença do cajueiro


Considerada a doença mais importante do cajueiro no Brasil, o Oídio causa danos à produção de castanha e à qualidade do pedúnculo em todas as regiões produtoras. Os sintomas são observados nas folhas, nas flores, nos maturis, nos pedúnculos e nas castanhas. O sintoma característico é um revestimento branco, assemelhando-se a um pó inicialmente branco (estruturas reprodutivas do fungo), tornando-se acinzentado quando os órgãos atacados atingem a maturidade.

O controle do oídio é quase que exclusivamente químico, por meio da aplicação de enxofre elementar ou formulado (Kumulus®), sendo este último na concentração de 300 g por 100 litros de água (800 litros/ha). As pulverizações deverão ser iniciadas logo no começo da floração, e a frequência de aplicação dependerá do monitoramento semanal. A reação dos clones comerciais ao oídio revela diferenças de susceptibilidades.

Quer saber mais sobre este assunto? No próximo domingo (26/5) o Blog da Cajucultura disponibilizará a recém-lançada publicação "Principais doenças do cajueiro: sintomas e controle", de autoria do pesquisador José Emilson Cardoso (foto), abordando as principais doenças que ocorrem no cajueiro no Brasil. Pode-se dizer que este é o tipo de material para o cajucultor ter sempre à mão.

quarta-feira, 22 de maio de 2019

Cajueiro: Antracnose X Oídio

A antracnose (foto) já foi considerada a mais severa doença do cajueiro no Brasil, até que o oídio passou a gerar mais prejuízos aos produtores. A doença ocorre em todas as regiões produtoras. É causada pelo fungo Colletotrichum gloeosporioides, que infecta folhas, caules, ramos, frutos e pseudofrutos. O fungo sobrevive internamente nos tecidos infectados, em restos de cultura no solo ou na própria planta. A disseminação dentro do pomar se processa pela água da chuva e pelo vento. 

Os sintomas da antracnose são mais comuns nas folhas, mas podem ser observados em toda a parte aérea da planta. No início, aparecem manchas irregulares de coloração parda nas folhas jovens, tornando-se avermelhadas à medida que os sintomas progridem. Quando os sintomas são severos, toda a folhagem fica retorcida e deformada, assemelhando-se a uma queima.

No fruto e no pedúnculo, os sintomas principais são lesões de coloração escuras e profunda que podem cobrir significativa área do tecido vegetal. O pedúnculo infectado tem o seu desenvolvimento comprometido apresentando-se deformado e por vezes rachados (Verônica Freire/Embrapa).