Mostrando postagens com marcador Nigéria. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Nigéria. Mostrar todas as postagens

sábado, 1 de dezembro de 2018

Conheça o Rei do Caju da Nigéria

Miftah Adediran (à esquerda), o Rei do Caju (TheCable)
A história da revolução do plantio de cajueiros na Nigéria é incompleta sem referência a Miftah Adediran, 39 anos, o Rei do Caju, um dos maiores produtores de castanha de caju da Nigéria. Adediran transformou o caju numa mina de ouro. “Quando a oportunidade veio ao meu encontro, agarrei-a com as duas mãos”, diz. 

A jornada para a sonolenta aldeia de Ofiki, no estado de Oyo, a cerca de 120 quilômetros de Ibadan, a capital do estado, começou às 9h20 da manhã de segunda-feira. O nosso anfitrião, Adediran, que acabara de chegar de Lagos na mesma manhã, fez-nos um ligeiro aviso: “Senhores, preparem-se para uma viagem cansativa e longa em direção à nossa plantação de caju.”

Enquanto viajávamos pela estrada poeirenta de Ibadan-Iseyin, este repórter já tinha perguntas suficientes para tratá-lo como ‘Sr. Caju'ou o' Rei do Caju '. Nossa primeira parada foi em um pequeno restaurante à beira da estrada chamado popularmente Buka, logo na entrada de Iseyin.

Momentos depois de partirmos, fiz a primeira pergunta: “O que motivou você a ir tão longe na selva para estabelecer uma plantação de caju?” O grande sorriso em seu rosto naquela manhã foi o suficiente para transmitir uma mensagem enorme de que esse homem daria uma boa reportagem. Situando-me de como o projeto começou, ele perguntava frequentemente se estávamos todos à vontade.

“Anos atrás, eu costumava cultivar mandioca, milho e soja. Mas tendo pesado todas as opções e encarando a dura realidade, conclui que o cultivo de milho não é tão lucrativo quanto o do cajueiro”, disse ele.

“Como nação, perdemos o nosso orgulho da agricultura para países menores como Gana, Costa do Marfim e Gâmbia, devido à descoberta de hidrocarbonetos. “Todos eles enfrentaram o desenvolvimento de sua agricultura, enquanto a Nigéria enfrenta o petróleo. Hoje, a receita do petróleo que é a maior e principal fonte de divisas estrangeiras da Nigéria é imprevisível.

“Gana faturou uma quantia fabulosa de US $ 233 milhões com a venda de castanha de caju em 2017, oriundas de cerca de 150.000 hectares de terra. Meu vizinho possui uma fazenda com cerca de 20.000 hectares de terra. Supondo que seus 20.000 hectares estivessem entre os 150.000 hectares cultivados em Gana, posso dizer que ele possui uma mina. ”

Quando nos aproximamos de algumas aldeias na comunidade de cajucultores, os coletores de pedágio locais que usualmente usam uma pequena corda para barricar a estrada saúdam e cumprimentam todos os ocupantes do veículo. Enquanto caminhamos pela vila, os residentes, a maioria mulheres e crianças, correm para um lugar específico para se reunir, já que é costume do Rei do Caju parar e confraternizar com eles.

Das mais de 20 crianças que apareceram, ele conhece todas pelo primeiro nome. Quando pegou o porta-malas do carro, fiquei imaginando o que ele estava prestes a abrir até que trouxesse pacotes de balas e começasse a distribuir para seus "filhos de aldeia adotivos".

Perguntado sobre o que o fez adotar este comportamento de Papai Noel, nenhuma resposta veio imediatamente. Questionado por ter uma filosofia muito profunda sobre a vida, ele revisitou a questão à medida que avançávamos.

“O pensamento de meus dois filhos vem à minha mente assim que me aproximo da aldeia. Eles são principalmente da faixa etária dessas crianças. Cada vez que faço compras de doces, compro sempre uma quantidade a mais e deixo-as no carro para as crianças da minha aldeia”, disse ele. “Na minha cabeça, tenho a sensação de que pelo menos eles sabem o que está sendo vendido na cidade e o que meus filhos biológicos comem também.”

Na chegada à fazenda, depois de cerca de duas horas e meia de Ibadan, fomos recebidos pelo verde exuberante de cajueiros já plantados, floridos sob o sol e pelo maquinário agrícola da fazenda bem conservado e organizado num galpão, além dos trabalhadores fazendo a manutenção de cajueiros jovens.

"Senhor, por que muitas pessoas não plantam castanha de caju?" Eu perguntei e ele replicou: "Não é para todos. Muitos pequenos proprietários não podem esperar os três anos antes de ganhar dinheiro, por isso optam por culturas de rápido crescimento. Outro fator é que a maioria dos pequenos agricultores não são donos da terra que cultivam. Na maior parte são terras emprestadas. Assim, eles não podem investir o dinheiro deles. ”

Apontando para um trator, ele acrescentou: “Um bom exemplo é aquele homem que está de pé junto ao trator; ele passou 40 anos nesta aldeia. Ele é estrangeiro. O que ele fez durante toda a sua vida foi plantar milho e inhame. Com todos os 40 anos passados aqui, ele não tem mais do que 10 hectares de terra cultivada. Viemos para abrir este lugar há menos de dois anos, cultivamos mais de 850 hectares de cajueiros. Nós pretendemos cultivar outros 3000 hectares nos próximos 2 anos. ”

Explicando como financia as atividades na fazenda, ele disse: “O que você vê aqui é feito 80% com recursos próprios. Nenhum empréstimo bancário. Na verdade, você pode estar perdendo um tempo precioso, indo atrás dos chamados empréstimos agrícolas, porque os bancos não lhe darão o empréstimo para o projeto específico que você pretende desenvolver, a não ser que você tenha outros negócios gerando um bom retorno para pagar os empréstimos.

Mas você procura por investidores? "Claro! Lembre-se, eu disse que a fazenda é 80% auto-financiada, os restantes 20% é para outros investidores. Este projeto em particular é de capital intensivo. É preciso muito dinheiro para chegar onde eu imaginei.”

(Tradução de matéria da jornalista Sikiru Akinola, publicada no TheCable)

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Nigéria fatura U$ 813 milhões com exportação de castanha


Nos últimos três anos, a Nigéria faturou US$ 813 milhões com a exportação de castanha de caju para os Estados Unidos, Vietnã, Índia, Brasil e Europa.

O país exportou 175 mil toneladas de castanha em 2016 e 220 mil em 2017. Segundo a Associação Nacional do Caju da Nigéria (NCAN), 240 mil toneladas de castanhas são projetadas para 2018.

Segundo a NCAN, as castanhas nigerianas têm como mercado principal as fábricas da Índia e do Vietnã e, nos últimos anos, também têm abastecido parte do mercado brasileiro.

Atualmente a Nigéria é o sexto maior produtor mundial de castanha, mas cerca de 75% a 80% de sua produção é exportada in natura.

Ainda de acordo com a NCAN, constatou-se que no ano passado o Vietnã vendeu uma tonelada de castanha de caju processada por US$ 10 mil no mercado internacional, enquanto os comerciantes nigerianos ganharam apenas US$ 1,2 mil por tonelada de castanha in natura.

.