Mostrando postagens com marcador Preços da castanha. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Preços da castanha. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Dança dos preços do caju e da castanha


Nos grupos de WhatsApp voltados para a cajucultura, o tema predominante é a dança dos preços da castanha e do caju e a expectativa de safra em algumas regiões.

A grita geral (com razão) dos cajucultores é contra os baixos preços pagos pelo caju e pela castanha. Os preços da castanha têm variado de R$ 3,30 (gigante) a R$ 3,50 (precoce). Infelizmente esta não é uma faixa de preços comum. Existem regiões onde os atravessadores chegam a pagar apenas R$ 2,00.
Para o caju, o preço médio tem sido de R$ 0,35 por quilo.

Os cajucultores reclamam que além da dificuldade da mão de obra para a colheita, a receita apurada mal paga os custos de produção. Para se ter uma ideia, em algumas regiões os preços da mão de obra para colher um quilo de castanha variam entre R$ 0,50 a R$0,70 (gigante) e R$ 0,80 a R$ 1,00 (precoce). Além dos custos com a mão de obra, existem ainda os preços dos insumos, máquinas e equipamentos, dentre outros. No final, quando se faz as contas, conclui-se que está cada vez mais difícil se manter nesta atividade.

quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Fique por dentro: preço da castanha de caju


A partir de informações coletadas junto a produtores de alguns municípios do Ceará, o Blog da Cajucultura relaciona abaixo os preços pagos ao produtor pelo quilo da castanha em 21/08:

Aracati: R$ 2,70  (Gigante) e R$ 3,00 (Precoce)

Marco  R$  2,30 (Gigante)

Granja R$ 2,50 (Gigante) e R$ 3,00 (Precoce) - castanha nova
            R$ 2,30 (castanha velha)

Tem informações dos preços praticados na sua região? Envie para o Blog da Cajucultura (seção comentários) ou divulgue nos diversos grupos de WhatsUp que tratam do tema caju. A informação é a melhor arma para evitar que o produtor venda o seu produto abaixo do preço de mercado.

quarta-feira, 5 de junho de 2019

Safra mundial: 3,66 milhões de toneladas

A safra mundial de castanha de caju de 2019 deverá atingir 3,66 milhões de toneladas, um aumento de 148.000 toneladas em relação às primeiras avaliações. É o que estima a empresa britânica de informação e análise Agribusiness Intelligence.

Este ligeiro aumento ocorre num período marcado por dificuldades na comercialização e descumprimento de preços mínimos estabelecidos em países como o Benim, a Costa do Marfim e a Guiné-Bissau.

Além das restrições locais, os preços mundiais da castanha de caju caíram para um nível próximo aos praticados no ano de 2015, mesmo com a pequena oferta da castanha da Tanzânia no mercado mundial.

Vale lembrar que a Costa do Marfim, o maior fornecedor mundial de castanha de caju, prevê uma colheita ligeiramente inferior a 730.000 toneladas em 2019.

E antes que me perguntem, a produção brasileira de castanha de caju estimada para a corrente safra é de 120 429 toneladas, segundo o último levantamento do IBGE, divulgado no início do mês passado. Isto corresponde a cerca de 3,3% da produção mundial.

quarta-feira, 8 de maio de 2019

Castanha africana: preços em queda livre


A crise do setor da cajucultura na África Ocidental já dura alguns meses e preocupa os produtores de caju africanos. Não existem compradores para a castanha recém-colhida (África ocidental está quase no final da safra) e os preços estão em queda livre. 

De Cotonou (Benin) a Dakar (Senegal), via Abidjan (Costa do Marfim), Lagos (Nigéria) e Bissau (Guiné Bissau), é a mesma situação: uma verdadeira catástrofe. A causa principal: estoques acumulados pelos compradores asiáticos em 2018. 

Muita gente boa esquece que há um tamanho limite para o mercado. Existe um ponto de saturação. A partir daí, se todos continuarem produzindo a oferta será maior que a demanda e, como consequência principal, ocorrerá queda de preço. Simples assim.

sexta-feira, 3 de maio de 2019

Castanha: as contas não fecham

Face aos baixos preços da castanha, a grande preocupação dos produtores, expressa em vários grupos de WhatsUp dos quais participo, volta-se cada vez mais para a seguinte questão: "Como (e onde) reduzir os custos de produção?

Ao meu ver, a sustentabilidade do negócio caju passa cada vez mais pela resposta a esta pergunta e, mais ainda, pela busca de novas formas de agregar valor aos coprodutos do cajueiro. 

É claro que precisamos melhorar (e muito) os nossos índices de produtividade. Mas mesmo assim, somente com a castanha, as contas dificilmente fecham.

quarta-feira, 1 de maio de 2019

Castanha: preços de abril na África

Preços (em Franco CFA) pagos ao produtor pelo quilo da castanha de caju praticados em abril em alguns países da África Ocidental. Os valores entre parênteses estão convertidos para reais:

Burkina: 100-200 (R$ 0,67 - 1,34 )
Benin :  150-350 (R$ 1,00 - 2,34)
Costa do Marfim:  75-150 (R$ 0,50 - 1,00)
Gana:             225-285 (R$ 1,50 - 1,91)
Mali:        100-150 (R$ 0,67 - 1,00)
Nigéria:            235-275 (R$ 1,57 - 1,84)
Senegal:        250- 350  (R$ 1,67 - 2,34).