Mostrando postagens com marcador Imagem do domingo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Imagem do domingo. Mostrar todas as postagens

domingo, 9 de dezembro de 2018

A imagem do domingo: Flores e frutos do cajueiro

A imagem deste domingo é a de uma pintura em óleo sobre tela, de autoria de Marianne North, produzida na cidade de Tanjore, atual Thanjavur (sul da Índia), em 1869. Thanjavur é uma cidade que localiza-se no estado de Tamil Nadu, sendo um importante centro religioso, de arte e arquitetura.

Flowers and Fruits of the Cashew, M. North

domingo, 2 de dezembro de 2018

Imagem do domingo: "A fábula do caju"

A fable of the cashew/Jade Bengco
Para aqueles que apreciam a castanha de caju e questionam o fato da semente estar do "lado de fora da fruta", aqui está uma fábula ou lenda asiática com uma "explicação" caprichosa.

O conto é assim - houve um grande baile na floresta onde todos os animais, pássaros e fadas estavam presentes. Uma fada estava descansando sob um galho de cajueiro e ouviu alguns sussurros vindos das frutas. Ela se aproximou e ficou surpresa ao ouvir vozes vindo de dentro! Eram as vozes das sementes pedindo à Fada para ajudá-las a sair dos frutos para participarem do baile. Elas expressaram seu mais sinceros desejos à fada e ela concordou em conceder-lhe. Mas - veio com um aviso. Quando o galo cantasse ao amanhecer, as sementes deveriam estar dentro de seus frutos ou ficariam presas do lado de fora para sempre. Sua magia só poderia ir até esse horário e ela, como todas as fadas, desapareceria quando o dia amanhecesse e não estaria por perto para ajudá-las. 

As sementes concordaram animadamente e correram para a clareira onde o baile estava em pleno andamento! Dançaram a noite toda e não conseguiram ouvir o galo cantando e logo perceberam que os outros participantes estavam lentamente desaparecendo. As sementes se apressaram tão rápido quanto suas pequenas pernas podiam levá-las a seus respectivos frutos, mas já era tarde demais! Elas só podiam segurar o fundo da fruta e lá estão até hoje.

Nesta imagem, da asiático-americana Jade Bengco, a fada visita as castanhas trazendo seus três ajudantes - um pássaro rechonchudo parecido com um pardal, e dois elfos-fadas que não perdem tempo em façanhas acrobáticas por todo o cajueiro.

A partir de então, a castanha de caju pode ser encontrada, ao contrário de todas as outras frutas, fora do fruto do caju.

domingo, 25 de novembro de 2018

A imagem do domingo: "Pinga com caju

A imagem deste domingo nos mostra um produto que faz parte da cultura do Nordeste, especialmente das regiões produtoras de caju. O litro de cachaça com o caju dentro. Quem nunca provou deste aperitivo?
Garrafas de cachaça com caju. Mercado Central, Fortaleza (Ana Biselli)

domingo, 18 de novembro de 2018

A imagem do domingo: "A vendedora de caju"

A imagem deste domingo mostra-nos uma aquarela do famoso pintor Jean Baptiste Debret. Nascido em 18 de abril de 1768, na França, Debret é conhecido até hoje como o pintor que retratou o cotidiano dos escravos no Brasil, atribuindo-lhes personalidade, como na aquarela “Negra tatuada vendendo caju” de 1827.
“Negra tatuada vendendo caju”, Debret (1827).
.


domingo, 4 de novembro de 2018

A imagem do domingo: Caju da Guiné Bissau

A imagem deste domingo vem da África, da longínqua Guiné Bissau. Na foto de Pascal Fletcher/Reuters, são mostrados cajus de cores diferentes, tendo ao fundo uma estrada de terra, margeada por cajueiros, a oeste da capital Bissau. 
Foto: Pascal Fletcher/Reuters
A castanha de caju é a principal produto de exportação da Guiné-Bissau, uma antiga colônia portuguesa entre o Senegal e a Guiné. As famílias de agricultores da Guiné-Bissau usam os rendimentos de suas vendas de castanha para comprar arroz, sua dieta diária preferida.
Assim, os preços comparativos destes dois produtos - um deles um snack apreciado em países ricos, o outro um alimento básico em todo o mundo - engendram a matemática da sobrevivência para a maioria da população rural da Guiné-Bissau.
A maior parte da safra é enviada para a Índia e Vietnã, que processam as castanhas para venda com valor agregado para os mercados americano, asiático e europeu.


domingo, 14 de outubro de 2018

A imagem do domingo: "O descastanhamento"

A imagem deste domingo destaca o trabalho de mulheres indianas na colheita da castanha, mais precisamente na operação de descastanhamento.  A foto, do indiano Sanjib Writes, foi feita na região de Thirupati, estado de Andhra Pradesh (Índia).
Como já tivemos a oportunidade de escrever neste Blog, a Índia é um dos maiores produtores mundiais de castanha de caju. Além disso, grande parte de sua amêndoa é consumida no mercado interno. A mão de obra feminina ocupa lugar de destaque na cajucultura indiana, desde a produção até o processamento.

domingo, 7 de outubro de 2018

A imagem do domingo: vendedor de caju

A imagem deste domingo retrata uma figura típica no interior das cidades da região Nordeste: o vendedor de caju. Detalhe para o emaranhado de fios, feitos com palha de coqueiro, para amarrar os cajus, agrupados em uma roda de várias unidades, denominada corda. As cordas eram acondicionadas em uma vara, apoiada no ombro do vendedor, com cordas de caju de um lado e do outro, servindo de contrapeso para o transporte. Foto de Silvestre Silva.