Mostrando postagens com marcador Cajueiro anão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Cajueiro anão. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Acre comemora produção de cajueiro anão




O prefeito do município acreano de Sena Madureira, Mazinho Serafim, por meio da Secretaria de Produção do município, em parceria com a produtora rural Rosaria Moreira Mandrotti, comemora a realização de um experimento intitulado Avaliação Agronômica e Adaptabilidade de clones de caju anão precoce. Cerca de 20 hectares de diferentes clones de cajueiro foram plantados no Ramal Cacirian, situado no quilômetro 15 da BR-364, no mês de novembro de 2017 e já começam a apresentar os primeiros resultados.
Mazinho comemora o sucesso da produção. “Começamos a colher os frutos do que fora plantado no início de nossa gestão, com a parceria entre a prefeitura a Secretaria de Produção e os produtores de nossa cidade. Tínhamos o sonho de fazer um grande plantio de cajueiro anão e plantamos 6 mil pés do fruto em mais de 23 hectares de terra. Queremos plantar ainda mais e usar pelo menos 200 hectares no plantio de frutas para beneficiar a economia de Sena Madureira”, garante.

O projeto é acompanhado pelo Engenheiro Agrônomo Cristhyan Carcia. Segundo ele, “o projeto tem como objetivo verificar quais dos clones irão apresentar maior produtividade e resistência a pragas e doenças na região do Purus”, explica. Os resultados alcançados até o momento indicam que dois dos clones testados estão se desenvolvendo acima da expectativa e já se encontram na 2° safra. “Aos 10 meses de plantio já tivemos uma produção significativa, o que chamou atenção de alguns produtores”, diz o engenheiro agrônomo.

Agora, a expectativa é que a partir da 5° safra, o produtor tenha uma produtividade de uma tonelada de castanha e nove toneladas de polpa por hectare, com uma renda de R$ 17.500 em média (Fonte: ac24horas).

sexta-feira, 14 de junho de 2019

Cajueiro anão em Roraima

Assista o mais recente vídeo do Canal da Cajucultura sobre as tratativas para a implantação de um polo cajueiro no estado de Roraima, mais precisamente no município de Normandia, interior do estado de Roraima.


segunda-feira, 29 de abril de 2019

O berço do cajueiro anão precoce

Assistam o mais recente vídeo do Canal da Cajucultura no YouTube onde mostro o local de onde saíram as sementes que proporcionaram o início dos trabalhos de melhoramento genético do cajueiro no Brasil.


sexta-feira, 26 de abril de 2019

Berço do cajueiro anão 

O próximo episódio do Canal da Cajucultura, disponível na segunda-feira, 29, vai mostrar as plantas que deram origem ao cajueiro anão. Aos 80 anos de idade, continuam produzindo no local onde foram descobertas pelo agrônomo Esmerino Parente, no Sítio Furnas, em Maranguape. Imperdível.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Divulgação de viveiros de mudas de cajueiro

O Blog da Cajucultura participa de vários grupos de WhatsUp relacionados ao agronegócio caju. Em vários desses grupos recebo mensagens de alguns dos participantes que são proprietários de viveiros de mudas de cajueiro. 

Objetivando auxiliar os viveiristas que acompanham o Blog na divulgação de suas empresas, convido-os, caso julguem necessário, a fornecerem as seguintes informações: 1. Nome do viveiro/proprietário; 2. Localização; 3. Clones comercializados; 4. Telefone para contato; 5. Registro no Mapa (sim/não).

Em virtude da boa audiência que este Blog vem obtendo (fechando o mês de janeiro com mais de 10 mil visualizações), frequentemente recebo consultas de vários locais do país pedindo a indicação de viveiristas. As informações deverão ser enviadas para o seguinte e-mail: blogdacajucultura@cajucultura.com.br

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

Criação do cajueiro anão: parte 2

Quais os rumos a serem seguidos pelos programas de melhoramento genético do cajueiro? Quais os principais atributos, em termos de castanha e pedúnculo, a serem buscados pelos pesquisadores que trabalham nesta área? Conheça o pensamento de Levi Barros, um dos pioneiros no melhoramento genético do cajueiro no Brasil nesta "entrevista-aula" concedida ao Canal da Cajucultura.


terça-feira, 29 de janeiro de 2019

Saiba mais sobre o cajueiro anão

Nesta quarta-feira, 30,  apresentaremos no Canal da Cajucultura a segunda parte da entrevista com Levi Barros, pesquisador da Embrapa Agroindústria Tropical, que fala sobre os clones de cajueiro anão e os desafios a serem enfrentados pelos programas de melhoramento genético do cajueiro.  

Inscreva-se no Canal da Cajucultura e acesse em primeira mão os vídeos que abordam o agronegócio caju em nível nacional e internacional especialmente selecionados por este Blog.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

A criação do CP 76

No vídeo desta quarta-feira, o agrônomo Levi de Moura Barros, pesquisador da Embrapa, conta-nos acerca dos bastidores da criação do cajueiro anão, com ênfase no clone CP 76.

Fugimos um pouco ao padrão de duração máxima dos vídeos do Canal da Cajucultura (dez minutos), por entendermos que vale a pena conhecer esta história.


terça-feira, 22 de janeiro de 2019

Conheça a história do cajueiro anão

Pouca gente sabe, mas até o início da década de 50 a produção de castanha de caju no Brasil era essencialmente extrativista. As primeiras tentativas para estabelecer plantios de cajueiro com fins comerciais foram feitas em Pacajus, no Ceará. 

Nesse município, em 1956, o governo federal instalou uma coleção de matrizes de cajueiro para pesquisa agronômica. Posteriormente, ocorreu a introdução de plantas de cajueiro anão originadas de uma população natural do município cearense de Maranguape nesse campo experimental. O município de Pacajus é hoje considerado o marco histórico do melhoramento genético dessa espécie no país.

Para falar sobre os bastidores dessa história, entrevistamos um de seus protagonistas, o agrônomo Levi de Moura Barros (Embrapa). A entrevista, dividida em duas partes, será disponibilizada no Canal da Cajucultura nesta quarta-feira (23). Vale a pena assistir e conhecer o trabalho iniciado por Esmerino Parente (foto), sucedido por um grupo anônimo de pesquisadores que contribuiu de forma marcante para a criação do cajueiro anão.

domingo, 20 de janeiro de 2019

CP 76, o campeão de popularidade

Na próxima quarta-feira, 23 de janeiro, o Canal da Cajucultura apresentará a primeira parte de uma entrevista com o pesquisador da Embrapa Levi de Moura Barros, contando os bastidores da história da criação do mais popular dentre os clones de cajueiro anão: o CP 76. 

Inscreva-se no Canal da Cajucultura no YouTube e receba em primeira mão os vídeos deste Canal. 

Para os leitores do Blog que ainda não assistiram os vídeos do Canal da Cajucultura no YouTube, segue a relação dos títulos disponíveis com os respectivos links para acessá-los: 


quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Plantio ultra adensado em cajueiro anão

A percepção do cajueiro comum como uma árvore rústica e durante algum tempo empregada para fins de reflorestamento contribuiu, de certo modo, até recentemente, para não considerar o seu cultivo dentro do que preconiza a moderna fruticultura. 

Devido a esse equívoco, a adoção de práticas agronômicas no cajueiro, com poucas exceções, nunca foi encarada com seriedade, mesmo nas variedades anãs. Contudo, a partir do momento em que alguns produtores que adotam modernas práticas agronômicas (irrigação, adubação de solo e foliar, variedades precoces, manejo racional de pragas e doenças) começam a obter resultados compensadores do ponto vista agronômico e econômico, começa a se desenhar uma mudança de mentalidade.

É o que podemos ver neste vídeo do Canal da Cajucultura, a partir de resultados de trabalhos de pesquisa realizados no Sul da Índia, com o cajueiro anão em sistema de plantio ultra adensado.



terça-feira, 20 de novembro de 2018

Com o oídio não se brinca

Se existe uma doença que não respeita parte alguma do cajueiro, essa chama-se "Oídio". Causada pelo fungo Oidium anacardii, tem trazido prejuízos a todas as regiões que cultivam o cajueiro no Nordeste brasileiro. Ataca principalmente as partes mais jovens da planta (foto), como as inflorescências, pedúnculos e castanhas (foto), causando o abortamento das flores e deformações, rachaduras e varíolas nos pedúnculos e castanhas. Além disso, um sintoma comum no pedúnculo é a ocorrência de zonas com alteração de cor (foto), depreciando-o para venda como caju de mesa, atualmente um importante mercado do agronegócio caju, provocando redução do preço. O pior é que esse dano é observado em quase todos as variedades comerciais de cajueiro anão. 
Oídio nas folhas (José E. Cardoso/Embrapa)

Castanhas sem e com oídio (Luiz Augusto Serrano/Embrapa)

À esquerda, fruto e pseudofruto com oídio (José E. Cardoso/Embrapa)
Preocupada com esta situação, a pesquisa, por meio da Embrapa, desenvolveu uma prática de controle químico do oídio do cajueiro com enxofre elementar e os produtos formulados Kumulus e Trifmine. A prática proposta permite viabilizar o controle do oídio do cajueiro, orientando a incorporação no sistema produtivo do enxofre elementar, produto que não oferece risco à saúde humana e nem ao ecossistema. No controle químico do oídio em cajueiro, as inflorescências tratadas com enxofre elementar apresentaram a menor severidade da doença, não ultrapassando os 10% de ataque. Para saber mais sobre o assunto, clique aqui.

segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Plantio adensado no cajueiro anão: um novo conceito

Cresce cada vez na fruticultura mundial o emprego de espaçamentos adensados e, até mesmo, ultra adensados. A citricultura já é um bom exemplo disto, onde o plantio de árvores de citros mais perto umas das outras aumenta a produção das safras iniciais em até 89% em relação aos espaçamentos tradicionais. 

O chamado adensamento se revelou extremamente importante para os produtores de São Paulo, onde se localiza o maior polo citrícola do Brasil, pois ajudou a compensar perdas causadas pelo HLB, considerada a mais severa doença dos citros da atualidade.

Na cajucultura, em muitos plantios comerciais na região Nordeste, os antigos espaçamentos de 15m x 15m, 10mm x 10m e 7m x 7m estão dando vez a menores espaçamentos, do tipo 6m x 4m, 5m x 5m e outras combinações. Esta tendência é plenamente justificável, especialmente com o emprego cada vez maior das variedades de cajueiro anão. Outro aspecto importante é que a lógica que impera no plantio adensado é o de produção de castanha por área, não mais por planta. Essa é a mudança de conceito.

Oportunamente abordaremos neste Blog sobre os diferentes arranjos que estão sendo testados pela pesquisa em relação ao cajueiro anão.