domingo, 17 de novembro de 2019

Oídio: quantas pulverizações são necessárias?


O oídio é uma doença que se manifesta em várias espécies de plantas em todo o mundo e vem, ultimamente, causando problemas na cultura do cajueiro em nosso país, já tendo sido objeto de vários artigos neste Blog e de um vídeo no Canal da Cajucultura (assista aqui).

Mas, qual deve ser o número de pulverizações para o manejo do oídio? Quais os produtos químicos? As respostas para estas perguntas você verá na publicação "Produtos Químicos e Número de Pulverizações para o Manejo do Oídio do Cajueiro", que tem como autor principal o pesquisador Marlon Valentim, da Embrapa Agroindústria Tropical.  Clique aqui para baixar gratuitamente a publicação. Boa leitura (e aprendizado) e um excelente domingo!

sábado, 16 de novembro de 2019

Receita de iogurte vegano (sem açúcar) de castanha de caju

A receita deste sábado vem do Blog Paveg e mostra-nos como fazer um iogurte vegano, super cremoso, sem açúcar, com amêndoa de castanha de caju. Irresistível!

Quer saber mais? Assista o vídeo e confira mais esta receita do Blog da Cajucultura. Tenham todos um magnífico sábado!


sexta-feira, 15 de novembro de 2019

Safra de castanha de caju 2019


A previsão da safra brasileira de castanha de caju para 2019, com base em dados divulgados pelo IBGE em 13/11/2019, é de 133.946 toneladas. Em relação a igual período de 2018 os números apontam para uma queda de 5,3 %.  A área colhida está estimada em 427.130 hectares. 

O Instituto Caju Brasil compilou os dados dos principais estados produtores na tabela abaixo.

Unidade da Federação
Área colhida (hectare)
Produção (tonelada)
Ceará
270.421
78.021
Piauí
69.387
25.068
Rio Grande do Norte
  51.534
17.132
Bahia
15.000
3.000
Maranhão
12.426
4.026
Pernambuco
2.889
4.400
Fonte: Instituto Caju Brasil, a partir de dados do IBGE (2019).

Em relação a igual período do ano passado, o Ceará apresenta uma queda de produção de 6%, o Piauí de 0,4%, o Rio Grande do Norte de 6,2% e o Maranhão de 29,8%.  O quadro ainda poderá sofrer mudanças, visto que o atual levantamento refere-se ao mês de outubro, restando, portanto, mais dois levantamentos para fechar o ano. 

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Transmissão ao vivo sobre "Traça das Castanhas"


Dando continuidade a uma série de transmissões ao vivo, pelo Instagram e Facebook, para abordar assuntos de interesse do agro, a Embrapa Agroindústria Tropical terá como convidado nesta quinta-feira (14/11), a partir das 10 horas, o agrônomo Lindemberg Mesquita falando sobre a "Traça das  Castanhas", considerada a principal praga do cajueiro no Brasil.

Na ocasião o agrônomo aproveitará a oportunidade para falar também de outras pragas que neste momento estão causando prejuízos aos pomares de cajueiro. O link para assistir a transmissão, tanto no Instagram como no Facebook é @embrapaagroindustriatropical

Quer saber mais informações sobre este assunto? Clique aqui e assista um vídeo do Canal da Cajucultura, onde converso com o Dr. Lindemberg Mesquita sobre os sintomas e métodos de controle da Traça das Castanhas.

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Portalegre (RN) promove Caju Agro Fest

A Prefeitura Municipal de Portalegre (RN) promove de 15 a 17 de novembro o Caju Agro Fest. O evento, realizado em anos anteriores naquele município, chega reformulado, com a integração de dois acontecimentos de grande repercussão na cidade, a feira de negócios com produtores de caju e o festival gastronômico, que deverá atrair a população de Natal e, sobretudo, das cidades da região.

Portalegre é um dos maiores produtores de caju do Rio Grande do Norte e a Caju Agro Fest 2019 marcará a inauguração da praça de eventos do município, que será um espaço permanente com oito mil metros quadrados de área, sendo 1.000 m² de área verde.

Dentre as atividades previstas para a Caju Agro Fest 2019, estão rodadas de negócios entre produtores de caju e empresários do ramo alimentício; apresentações culturais e musicais; um festival gastronômico, com concurso para escolha de melhor prato, e uma praça de alimentação com muitas atrações (com informações de Rodrigo Hammer).

terça-feira, 12 de novembro de 2019

Dia do caju: há o que comemorar?


Datas nacionais comemorativas à espécies de frutas são comuns em países que têm uma forte economia agrícola. É o caso dos Estados Unidos, por exemplo, que tem dias nacionais para diferentes espécies agrícolas. O National Corn Day (Dia Nacional do Milho) é um exemplo. Aliás, pouca gente sabe, mas os Estados Unidos, que não produz caju, tem também o seu National Cashew Day (Dia Nacional do Caju), celebrado no dia 23 de novembro. No Brasil, do nosso conhecimento, apenas o Ceará tem esta data  alusiva ao caju no seu calendário (Lei Estadual 15.042/2011), celebrada na data de hoje.

Há o que celebrar? Sem querer ser pessimista, muito pouco. Os números de nossa cajucultura vêm despencando ladeira abaixo e a cadeia produtiva, como um todo, padece de uma desorganização crônica que contribui sobremaneira para que isto aconteça. Inexistem políticas públicas para o setor e as raras iniciativas neste sentido são espasmódicas e sem resultados concretos. Quando muito, dão origem a volumosos documentos que adormecem sobre as mesas de quem os produziu.

Enquanto isso, a África ocidental continua 'nadando de braçada' nesse mar revolto e deverá liderar pelos próximos cinco anos a oferta de castanha de caju no mercado mundial. Qual o segredo? Não tem segredo. Apenas vontade política e organização do setor.

Um feliz Dia do Caju!

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Castanha de caju: África continuará liderando produção


De 7 a 9/11 último, aconteceu na Tanzânia a 13ª Conferência Anual da ACA (African Cashew Alliance), tendo como tema central “Promover sinergias que influenciam a dinâmica do mercado”.
Algumas das conclusões do evento que reuniu os maiores experts mundiais no mercado da castanha de caju:

1. A demanda global por castanha de caju continuará crescendo a uma taxa anual de 5% e a oferta de matéria prima continuará a ser liderada pela África ocidental durante os próximos cinco anos.

2. Em mercados em desenvolvimento (China, por exemplo), o aumento do consumo será impulsionado pelo crescimento da classe média. Nos mercados já consolidados, o aumento será influenciado por tendências da população em adotar dietas saudáveis.

3. Razões do crescimento da produção de castanha na África ocidental: alta rentabilidade da atividade, estimulando novos plantios; a baixa incidência de pragas e doenças e a melhoria da assistência técnica, contribuindo para elevadas produtividades.