Mostrando postagens com marcador Política para a cajucultura. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Política para a cajucultura. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 12 de novembro de 2019

Dia do caju: há o que comemorar?


Datas nacionais comemorativas à espécies de frutas são comuns em países que têm uma forte economia agrícola. É o caso dos Estados Unidos, por exemplo, que tem dias nacionais para diferentes espécies agrícolas. O National Corn Day (Dia Nacional do Milho) é um exemplo. Aliás, pouca gente sabe, mas os Estados Unidos, que não produz caju, tem também o seu National Cashew Day (Dia Nacional do Caju), celebrado no dia 23 de novembro. No Brasil, do nosso conhecimento, apenas o Ceará tem esta data  alusiva ao caju no seu calendário (Lei Estadual 15.042/2011), celebrada na data de hoje.

Há o que celebrar? Sem querer ser pessimista, muito pouco. Os números de nossa cajucultura vêm despencando ladeira abaixo e a cadeia produtiva, como um todo, padece de uma desorganização crônica que contribui sobremaneira para que isto aconteça. Inexistem políticas públicas para o setor e as raras iniciativas neste sentido são espasmódicas e sem resultados concretos. Quando muito, dão origem a volumosos documentos que adormecem sobre as mesas de quem os produziu.

Enquanto isso, a África ocidental continua 'nadando de braçada' nesse mar revolto e deverá liderar pelos próximos cinco anos a oferta de castanha de caju no mercado mundial. Qual o segredo? Não tem segredo. Apenas vontade política e organização do setor.

Um feliz Dia do Caju!

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Falta uma política de estado para a cajucultura

No vídeo de hoje, disponível no Canal da Cajucultura, falamos sobre a necessidade de uma política do estado brasileiro para o setor do caju, como uma das medidas para assegurar a sustentabilidade dessa importante cadeia produtiva. Assista e envie-nos os seus comentários. 

A propósito, o que será que os governantes e parlamentares recém-eleitos, nas esferas federal e estadual, pensam a respeito? Que tal cobrar deles iniciativas neste sentido?