terça-feira, 12 de novembro de 2019

Dia do caju: há o que comemorar?


Datas nacionais comemorativas à espécies de frutas são comuns em países que têm uma forte economia agrícola. É o caso dos Estados Unidos, por exemplo, que tem dias nacionais para diferentes espécies agrícolas. O National Corn Day (Dia Nacional do Milho) é um exemplo. Aliás, pouca gente sabe, mas os Estados Unidos, que não produz caju, tem também o seu National Cashew Day (Dia Nacional do Caju), celebrado no dia 23 de novembro. No Brasil, do nosso conhecimento, apenas o Ceará tem esta data  alusiva ao caju no seu calendário (Lei Estadual 15.042/2011), celebrada na data de hoje.

Há o que celebrar? Sem querer ser pessimista, muito pouco. Os números de nossa cajucultura vêm despencando ladeira abaixo e a cadeia produtiva, como um todo, padece de uma desorganização crônica que contribui sobremaneira para que isto aconteça. Inexistem políticas públicas para o setor e as raras iniciativas neste sentido são espasmódicas e sem resultados concretos. Quando muito, dão origem a volumosos documentos que adormecem sobre as mesas de quem os produziu.

Enquanto isso, a África ocidental continua 'nadando de braçada' nesse mar revolto e deverá liderar pelos próximos cinco anos a oferta de castanha de caju no mercado mundial. Qual o segredo? Não tem segredo. Apenas vontade política e organização do setor.

Um feliz Dia do Caju!

2 comentários:

Flávio Barros disse...

Prezado Vítor,
Obrigado pelo dedicado trabalho de nos tornar conhecedores da cultura do caju. Uma pena, poderíamos ser grande produtor se houvesse mais empenho em políticas de cultura do caju.

Vitor Oliveira disse...

Verdade! Mas não desanimemos.Obrigado pelos elogios.